Translate this Page
Votação!
O que você acha do site?
Excelente
Regular
Ruim
Ver Resultados

Rating: 4.5/5 (257 votos)


ONLINE
1


Partilhe esta Página



O cristianismo autêntico
O cristianismo autêntico

 

Definir cristianismo nos dias atuais tem sido uma tarefa não muito fácil. A cada geração que se levanta uma nova visão de mundo surge, e com cada uma dessas visões uma nova forma de pensar o cristianismo. Desde muito tempo, o cristianismo vem sofrendo intensas ameaças à sua autenticidade. No princípio quando Jesus lançou as bases do cristianismo Ele o fez por meio de seus ensinos que introduziam uma nova forma de vida.
A vida cristã podia ser vivida pelo homem de modo que Cristo vivesse nele. Para possibilitar o milagre da vida cristã autentica, algumas coisas seriam necessárias. Primeiro Cristo governaria as vidas de seus servos por meio da palavra por Ele ensinada. Quando os cristãos obedecessem aos ensinos sagrados de Jesus Cristo, o governo de Deus estaria alcançando suas vidas. A segunda forma de Cristo governar seus servos seria por meio da habitação real do Espírito Santo na vida dos cristãos. O Espírito Santo derramaria poder e capacitaria os filhos de Deus para viverem a vida numa dimensão mais intensa de amor, fé e obediência.
A força do Espírito manteria os crentes com o coração aquecido e a palavra de Cristo os manteria na retidão do caminho. Com esses dois recursos divinos à sua disposição, o povo de Deus estava preparado para enfrentar qualquer aflição, perseguição ou dificuldade que surgissem. Eles estariam dispostos, inclusive, a enfrentar a morte sem medo algum.

Os apóstolos do Senhor Jesus reproduziram os ensinos do Mestre ensinando fielmente os mandamentos por Ele estabelecidos e assim a Igreja de Deus começou a crescer e se fortalecer por onde quer que os discípulos fossem enviados.

Como o cristianismo autêntico sempre foi uma ameaça ao estilo de vida vil e insano adotado pelos homens, perseguições surgiram e milhões de cristãos foram mortos. Mas o que parecia impossível aconteceu: ao invés de os cristãos temerem a morte, eles amavam a Cristo de tal maneira que morriam felizes por saberem que estavam fazendo por seu Senhor o que um dia seu Senhor fez por eles. Em nome de Cristo um incontável exército de cristãos foi truculentamente assassinado. Esfolados, queimados, enforcados, decapitados, etc., mas não negaram a fé em Cristo, pois em nada tinham suas vidas por preciosas contanto que cumprissem com alegria a carreira que lhes estava proposta. Ninguém, exceto Deus, jamais poderá contabilizar quantos cristãos foram martirizados pelos inimigos da fé cristã.

Mas o tempo provou que os inimigos deliberados do cristianismo não eram uma ameaça. Por mais que fosse difícil ser cristão, a morte, a dor, o confisco de bens, nada disso poderia afastar os cristãos de Jesus. As duras provações que os cristãos do primeiro século sofreram os induziu a fazer das palavras de Paulo sua confissão de fé e esperança em Deus.

“Que diremos, pois, diante dessas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos dará juntamente com ele, e de graça, todas as coisas? Quem fará alguma acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? Foi Cristo Jesus que morreu; e mais, que ressuscitou e está à direita de Deus, e também intercede por nós.

Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? Como está escrito: Por amor de ti enfrentamos a morte todos os dias; somos considerados como ovelhas destinadas ao matadouro. Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor” .

A igreja que hoje conhecemos como primitiva tinha marcas tão profundas que Paulo só soube explicar nos seguintes termos: “Damos, sempre, graças a Deus por todos vós, mencionando-vos em nossas orações e, sem cessar, recordando-nos, diante do nosso Deus e Pai, da operosidade da vossa fé, da abnegação do vosso amor e da firmeza da vossa esperança em nosso Senhor Jesus Cristo. ”
Essas marcas são tão importantes que Paulo considerava a igreja que as possuía como coroa do seu ministério e apostolado.

O Espírito de Deus trabalhava de tal maneira nos cristãos do primeiro século que Lucas registrou as ultimas palavras de Cristo antes de Ele ser recebido no céu por ocasião da sua ascensão: “Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas (meus mártires) em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra” . O poder conferido pelo Espírito de Deus capacitou os cristãos para que eles fossem mártires de Cristo. Um mártir é alguém que está totalmente disposto a testemunhar com sua vida e sua morte do evangelho de Cristo.

O poder recebido pelos discípulos os capacitou para isso e eles testemunharam com cada gota de seu sangue sobre a verdade da cruz: Jesus Cristo é o Filho de Deus que veio buscar e salvar os perdidos.
Assim o cristianismo autêntico pode ser definido por poucas marcas, as marcas que descrevem a biografia dos primeiro discípulos.

AMAR COMO JESUS

Os crentes primitivos foram desde muito cedo ensinados a amar incondicionalmente os seus semelhantes. Esse amor era tão arraigado aos seus corações que ainda no inicio da Igreja, quando seus alicerces estavam sendo postos, viu-se a intensa necessidade de separar pessoas com a função exclusiva de servir as classes minoritárias que compunham os cristãos, a saber, as viúvas e os indigentes . Nas palavras do próprio Lucas obtemos as seguintes informações: “Os que criam mantinham-se unidos e tinham tudo em comum, vendendo suas propriedades e bens, distribuíam a cada um conforme a sua necessidade. Todos os dias continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração” .

Lucas ainda registra para nós o seguinte: “Da multidão dos que creram, uma era a mente e um o coração. Ninguém considerava unicamente sua coisa alguma que possuísse, mas compartilhavam tudo o que tinham” .
O amor entranhado no coração dos primeiros discípulos não era algo movido pela euforia de uma nova religião que estava surgindo, mas as marcas esperadas pelo próprio Jesus: “Um novo mandamento lhes dou: Amem-se uns aos outros. Como eu os amei, vocês devem amar-se uns aos outros. Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros” . As palavras exatas de Jesus neste texto foram: todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês tratarem com ágape uns aos outros. A palavra ágape pode ser traduzida literalmente por qualquer um desses sinônimos: benevolência, boa vontade, afeição, sentimento fraterno, considerar o outro como irmão, ver o outro como parte de sua família.

Desse modo a igreja primitiva não era mesquinha no uso que fazia de seus bens porque todos eram da mesma família e a distribuição dos recursos era vista como uma partilha necessária e fundamental, uma vez que ninguém queria ver seu irmão padecendo necessidades. O amor ágape rompe com a ideia de que uma família só pode ser assim chamada se tiver sua formação a partir de vínculos consanguíneos e mostra que todos os homens indiscriminadamente são oriundos de um mesmo Pai que é Deus. Esse amor gera a noção de que todos são responsáveis por todos e os interesses e necessidades de todos devem ser igualmente apreciados. O autêntico cristianismo está presente onde a prática do amor ágape é marca inegociável. Uma igreja onde esta marca é negada, substituída ou depreciada, não é a igreja de Cristo, mas uma horrenda caricatura institucional.

OBEDECER INCONDICIONALMENTE

Outra marca que os primeiros cristãos tratavam como inegociável era a obediência incondicional. Obedecer sem questionar, sem procrastinar e sem retroceder. Para os cristãos do primeiro século “importava antes obedecer a Deus que aos homens ” ainda que a obediência a Deus lhes custasse à vida ou a segurança. Por causa da sua obediência deliberada, os crentes sofreram o confisco de seus bens, a expulsão de sua pátria, o extermínio de seus líderes, etc. enquanto os crentes contemporâneos insistem em interpretar erradamente o texto que diz que obedecer é melhor do que sacrificar, os cristãos primitivos experimentaram a obediência por meio de inúmeros sacrifícios.

Quando os primeiros crentes decidiram obedecer, cada dia a mais que amanheciam vivos era uma grande vitória, sua luta não era apenas contra o diabo, o mundo e o pecado, era também pela própria sobrevivência. Desobedecer a Deus significaria ficar imune das perseguições. Qualquer cristão podia contrair um seguro de vida terrena através do simples ato de não querer seguir os ensinos do Carpinteiro Nazareno.

Mas eles estavam dispostos e capacitados a serem mártires, caso fosse preciso para defender o nome do seu Senhor e a honra de seu Deus. Os discípulos de Jesus Cristo estavam cientes de que ao serem salvos pelo Senhor, deveriam estar prontos a testemunhar ao lado de Cristo ainda que isso lhes custasse os bens, a segurança e a vida. A Igreja chamada primitiva tinha algo muito raro em nossos dias: ela tinha capacidade de permanecer fiel até o fim.

 

Fonte: Gospel Prime - Rosivaldo Silva Santos

 

topo